PRINCÍPIO A PRINCÍPIO – 3: CONCENTRAÇÃO

Sempre orientamos alunos e pacientes a respirar no momento correto e manter o controle do Power House, também orientamos sobre o movimento a ser executado, mas sabemos o quanto isso se torna difícil quando o aluno não está concentrado. Um aluno pouco concentrado terá dificuldades na execução de exercícios mais complexos e de coordenação e os exercícios mais desafiantes para o equilíbrio podem ser de risco para ele. Então, quais estratégias podemos utilizar para melhorar a concentração de nossos alunos e pacientes durante os exercícios

1.Instrutor concentrado e ambiente calmo:

Não adianta um ambiente calmo para a aula de Pilates se quem for dar essa aula está ali desconcentrado e deixando isso transparecer para o aluno. Antes de pedir atenção e concentração para os alunos, devemos estar concentrados e entregues ao momento, é muito mais fácil ele entrar no ritmo da aula se isso acontecer.

concentracao

2. Trazer o aluno para a aula no início:

Iniciar a aula com exercícios que foquem na respiração, com pequenos movimentos de MMSS e MMII é uma boa opção para “trazer” o aluno para a aula, além de ajudar a ativar o Power House que será tão exigido ao longo da aula. Com o aluno em decúbito dorsal peça apenas para ele respirar e observar o ar entrando e saindo dos pulmões, aos poucos comece a dar comandos para ele movimentar pernas ou braços. Isso pode ser feito no solo com ou sem acessórios ou nos aparelhos. Só inicie a aula quando perceber que ele está mais centrado e mais preparado para começar a aula. Também  é uma ótima estratégia para alunos que chegam mais agitados no dia.

maxresdefault

3. Tom de voz do instrutor

O tom de voz que você usa para orientar os exercícios tem um grande poder para ajudar na concentração dos alunos. Mantenha o mesmo tom de voz o tempo todo. Durante a execução de algum exercício oriente durante o movimento completo – no foot work do reformer por exemplo: enquanto o aluno estica os MMII a orientação pode ocorrer durante todo o movimento e no mesmo ritmo que o aluno executa. “Estique as pernas e solte o ar” e no retorno do movimento “volte, dobrando as pernas e inspirando”. Isso não precisa e nem pode acontecer em todas as repetições da série e nem em todos os exercícios, senão pode ter efeito contrário, o aluno se torna dependente da fala para conseguir manter o ritmo do exercício.

Um instrutor que já se coloca concentrado desde o início da aula e tem uma fala no mesmo ritmo de execução do movimento, ajuda o aluno a manter-se concentrado e entrar no ritmo da aula.

tom-voz

4.Figuras de imagem

Outra maneira interessante para a concentração é orientar os exercícios com figuras de imagem, fazer o aluno enxergar em seu movimento algo que o ajude a manter o movimento pedido sem se perder. Por exemplo:

– Manter a coluna neutra em decúbito dorsal: “Mantenha a curvatura da sua coluna, como se tivesse uma borboleta em suas costas, se você achatar as costas no chão ela morre e se a curvatura aumenta ela foge”

“Standing Roll Down” ou “Hamistring I (Chair)” mantendo posicionamento do quadril: “imagine que está encostado em uma parede e desça devagar sem desencostar dela e sem empurra-la”. Nesse caso deixar um rolo atrás da pessoa é uma boa referencia também.

Em breve faremos um post com mais dicas de imagem. Aguardem!!!!

faculdade-criadora-11765822

Até o próximo post, onde falaremos do princípio do CONTROLE. Até lá!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *