PRINCÍPIO A PRINCÍPIO – 4: CONTROLE

Chegamos em nosso quarto princípio, o PRINCÍPIO do CONTROLE!

Joseph Pilates que denominou seu método de Contrologia considerava que o mais importante era o controle total do corpo e da mente por meio dos exercícios.

“CONTROLOGIA é a coordenação completa de corpo, mente e espírito. Através da Contrologia, você irá adquirir, inicialmente, o controle completo do seu próprio corpo e então, através da repetição adequada dos exercícios irá adquirir gradual e progressivamente aquele ritmo e coordenação natural associados a todas as suas atividades mentais e subconscientes.” JOSEPH PILATES

Quando se fala em “ter controle do movimento”, estamos dizendo entre linhas que:

  • Não devo permitir compensações do movimento,
  • Devo evitar posições indesejadas durante a execução;
  • Devo manter o alinhamento corporal adequado;
  • Preconizo a realização exata do movimento;
  • É necessário ter total consciência do movimento.

 Podemos facilitar e contribuir com o aprendizado e controle de movimento com algumas dicas:

  • CONCENTRAÇÃO

Um princípio importante do Pilates e com grande relação com esse que estamos discutindo hoje. Fazer um exercício concentrado faz com que o movimento seja realizado com maior noção e segurança do que foi planejado para ele. O aluno tem uma melhor consciência do que deve realizar e tentará corrigir durante a execução caso algo não saia como previsto.

  • POWER HOUSE

Discutimos muito sobre ele em outro Post, mas vale ressaltar que manter o Power House devidamente ativo durante a execução dos exercícios é de extrema importância para o controle do corpo como um todo. A ativação desse “centro” permite que a energia gerada seja transferida para as extremidades, ou seja, do tronco para os membros inferiores e superiores.

  • REPETIÇÃO DE EXERCÍCIOS

Existe uma crença que não se pode repetir exercícios no Pilates.  Porém, temos que estar cientes que a repetição se faz necessária e é importante para o aprendizagem motora, principalmente nos casos em que aquele movimento é “novo” para a pessoa. É através da repetição que o movimento será realizado de maneira mais fluída e limpa. Um aluno com dificuldade em realizar um determinado movimento deve ser treinado para o padrão novo que se deseja até que ele seja alcançado, e isso só será alcançado com a repetição.

  • CADEIAS MUSCULARES E TRANSMISSÃO DE FORÇA

Não podemos esquecer que nenhum músculo trabalha ou é eficiente sozinho, nosso corpo é todo interligado. O problema ou deficiência de um local pode ter causa distante. Estar atento para corrigir o movimento pensando em toda cadeia que está sendo exigida ou melhorar a transmissão de força ao longo da cadeia para o movimento que se deseja realizar, é um grande aliado para conseguir movimentar com controle total.

  • EVOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS

Muitas vezes o movimento não é realizado da maneira planejada por ainda ser muito difícil para pessoa. Temos que ter muita segurança na evolução de exercícios e ter certeza que aquele é o momento adequado. Regredir um exercício é a melhor maneira que temos para garantir que o avançado será realizado com sucesso no futuro.

*Em nosso próximo post falaremos de Fluidez e Precisão e abordaremos esse tema com maior profundidade

  • DICAS TÁTEIS

Ajudar um aluno guiando o movimento dele nas primeiras repetições ou ajudar no alinhamento postural para a execução é uma das melhores maneiras de faze-lo sentir o movimento correto a ser executado.

  • COMANDO CORRETO

De nada adianta ter a consciência de todos esses fatores discutidos aqui se o comando para o aluno é inadequado. Nem sempre um mesmo comando é eficiente para duas pessoas diferentes. O profissional tem que estar sempre atento se o comando foi eficiente para o objetivo que ele foi dado. Insistir num comando ineficiente pode fazer com que um aluno, na ansiedade de corrigir sua execução, crie estratégias não adequadas e compensatórias para o exercício. Muitas vezes se faz necessário não só trocar o comando, mas também desmembrar o movimento e treina-lo em partes para depois obter sucesso no movimento completo.

O maior desafio para quem trabalha com Pilates é conseguir com que os alunos e pacientes atinjam o nível de total controle do movimento. Podemos classificar o controle do movimento em 4 níveis:

classificacao-niveis

Saber o estágio que o aluno se encontra ajuda o profissional a planejar melhor as estratégias a serem utilizadas com cada aluno ou paciente. Uma pessoa que não tem percepção que realiza um movimento adequado deve ser conscientizada quanto ao movimento correto, utilizar feedbacks visuais, demonstrando o que deve ser realizado e deixa-la realizar de frente para um espelho, pode contribuir para a melhora dessa consciência. Ter a consciência que está realizando um movimento errado, mas não conseguir melhorar a execução, é um problema que encontramos diariamente em nossa prática. Nesses casos, desmembrar o movimento em fases e depois trabalhar ele integrado pode ser uma boa estratégia.  Trabalhar repetição é uma ótima opção para pessoas que se encontram no estágio 3, a repetição fará com que os movimentos passem a acontecer de maneira fluida e natural ao longo do tempo.

O que podemos perceber é que o profissional que trabalha com Pilates é o maior responsável no ganho de controle de seus alunos. Estar atento as dificuldades do aluno e saber trabalha-las de maneira adequada e com planejamento é o melhor caminho para o sucesso no ganho de controle.

No próximo post vamos falar de dois princípios que tem uma relação muito próxima, e por isso serão abordados juntos – FLUIDEZ E PRECISÃO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *