FALANDO COM IMAGENS

Em nosso post de CONCENTRAÇÃO http://www.momentopilates.com.br/?p=116 da série sobre os princípios do Pilates, falamos sobre a importância das dicas de imagens para facilitar a execução de um movimento e ajudar os alunos a se concentrarem mais.

Quem nunca se pegou reclamando que o aluno não consegue entender um exercício direito ou  que você pede uma coisa e ele faz outra? Realmente alguns alunos tem um grande problema de percepção corporal e isso deve ser trabalhado.  Para mim, nosso comando verbal é uma poderosa arma para isso, mas devemos utiliza-lo de maneira segura e no momento correto, senão damos um tiro no pé.

Gosto de falar que temos em Pilates dois tipos de linguagem, uma cinesiológica e uma figurativa. Posso pedir um movimento para um aluno descrevendo esse movimento, como por exemplo, “flexione seu tronco, levando as mãos em direção o chão e volte devagar” ou de uma maneira mais figurativa, onde o aluno poderá ter maior percepção do movimento que deverá realizar. “abaixe seu corpo, enrolando sua coluna, começando pela cabeça e volte desenrolando começando pelo quadril, até ficar de pé”. Quando utilizo uma linguagem menos cinesiológica, que não descreve apenas o movimento a ser executado, eu consigo trazer o aluno mais para exercício. Ele consegue perceber melhor o movimento que deve realizar desde o seu inicio e não somente qual o objetivo final. No exemplo acima, o aluno ao receber o comando mais cinesiológico visualiza que sua mão deve chegar ao chão e o faz, seja com o movimento concentrado no quadril ou na coluna. Quando o comando é para enrolar a coluna começando pela cabeça, ele visualiza o movimento desde o inicio, sabendo que o objetivo é levar a mão em direção ao chão.

Hoje vamos trazer mais dicas verbais que podem ser utilizadas durante as aulas de Pilates.

REGULANDO O PADRÃO RESPIRATÓRIO

Quando estamos treinando o padrão respiratório de um aluno, deixando-o mais abdominal.

“o ar entra pelo seu nariz, passa pela base da sua cabeça, desce abrindo suas costelas e chega no seu abdômen”

“existe um balão em seu abdômen, quando você inspira, o balão enche, e quando expira ele esvazia”

“imagine um livro em sua barriga, quando você inspira o livro sobe e quando você expira o livro abaixa” (no inicio, pode orientar o aluno a treinar o padrão em casa com um livro leve no abdômen)

 

 

 

   

 

 

COLUNA NEUTRA

Após posicionar o aluno com a coluna neutra…

Em decúbito dorsal: “imagine que você tem uma borboleta presa em suas costas, se arquear a coluna ela foge e se você achatar a coluna no chão ela morre. Realize o exercício mantendo ela viva.”

Quatro apoios ou de pé: “imagine um cabo de vassouras em suas costas, ele apoia na base da sua cabeça, no meio das suas costas e no seu sacro. Faça o exercício mantendo ele ai” –  Muitas vezes é interessante apoiar um bastão no aluno e deixa-lo realizar o exercício com ele. É uma ótima dica tátil. E aos poucos tire o bastão e peça para ele sentir que o bastão continua ali.

GUIANDO AS MOBILIDADES DE COLUNA

Flexão anterior de pé: “imagine que está encostado em uma parede e desça devagar sem desencostar dela e sem empurra-la”. Nesse caso deixar um rolo atrás da pessoa é uma boa referencia também.

Extensão: “imagine uma bolinha de gude em seu nariz, e comece a empurra-la para frente. O nariz para de empurrar e seu olhar leva ela para frente. Volte trazendo ela com o olhar, até o nariz recoloca-la no lugar”

Ponte: “tem um balde de água na sua pelve, venha virando esse balde e jogando a água no seu peito enquanto eleva o quadril do chão”

   

ALONGAMENTO AXIAL

De pé e agachamentos: “Imagine um fio saindo da sua cabeça, você sobe e desce por esse fio e ele está o tempo todo de puxando para cima”. É uma ótima dica para o aluno que tende a flexionar o tronco durante agachamentos

“quero atingir sempre o ponto mais alto com a cabeça, como se um imã me puxasse para cima o tempo todo”

 “imagine alguém puxando seu pé e sua mão”

 

Só precisamos ter cuidado para não dar muitas dicas ao mesmo tempo. Isso confunde o aluno. Se percebeu que aquela dica não foi adequada para ele, tente mais uma ou duas vezes. Caso não funcione ainda, troque, mas de maneira suave. Peça para ele parar o movimento e inicie um novo comando. Em uma aula, devemos utilizar no máximo dois comando para um mesmo estimulo.

Temos que ter muito cuidado com nossas dicas para não desestimular o aluno. Comumente focamos nossas orientações para a melhora do movimento e deixamos de mostrar para ele os acertos e o que melhorou. Mesmo que a execução não seja a esperada, não deixe de elogiar e utilizar palavras de incentivo. “Nossa, sua execução melhorou muito”, “você não conseguia fazer esse movimento e agora já consegue”, “percebe como isso está ficando mais fácil?” são algumas das maneiras que podemos utilizar quando a execução ainda não é 100% a esperada, mas já houve evolução e assim não desestimulamos nossos alunos.

Agora é usar a criatividade e “desenhar” suas aulas de Pilates.

Até o próximo post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *